Whatsapp: (11) 9.6110-2580

QUEM SOU

Eu não existia até meus 7 meses.

Surpreendentemente, eu não existia até meus 7 meses. Isso porque foi quando me descobriram (literalmente!) na barriga de minha mãe. Eu estava lá, certamente bem escondidinha atrás de minha irmã gêmea.

Naquela época (1982), de fato, não existiam os exames de hoje e não me viram porque os dois corações batiam no mesmo compasso e minha irmã estava posicionada na frente.

A princípio, eu tinha risco de vida. Então, minha mãe fez tudo para que eu nascesse viva e com saúde, por fim tomou injeções com vitaminas diariamente(!) e, na hora do parto, nasci cinco minutos antes de minha irmã; ela, um quilo mais gorda.

Problemas de saúde.

Sem dúvida, meu irmão (com dois anos na época) teve que aguentar poucas e boas ao lado de meus pais, uma vez que nascemos as duas com problemas de ouvidos… Como resultado, tínhamos muita dor e somente depois de várias cirurgias, lá pelos cinco anos, tudo finalmente se resolveu. 

Apagão

Só que apaguei isso tudo da memória. Com efeito, me lembro apenas de uma infância bem divertida com meus irmãos: brincávamos os três juntos de queimada, carrinho de rolimã, pipa; brincávamos na areia e na grama fazendo “esquibunda” com pedaços de papelão. Além do famoso “jacaré peludo” em que nosso pai era um jacaré querendo nos pegar enquanto se arrastava no tapete peludo da sala! Em suma, uma infância feliz. 

Crise de identidade.

Inegavelmente, é difícil olhar para as fotos da infância e não saber quem você é, rs. Até hoje, em fotos de adulta já, tem pessoas que erram… acredita nisso?! 

Adolescência e fase adulta.

Aliás, durante minha graduação, desenvolvi um trabalho especificamente com mulheres pelo qual recebi o Prêmio de Iniciação Científica “Melhor Trabalho da Universidade na área de Ciências Humanas”. Ou seja, já naquela época eu trabalhava com mulheres…

Conclui em 2005 minha pós-graduação. E, em seguida, fui morar na cidade de Vancouver (Canadá) para aprimorar o inglês e participar do Cambridge Work Experience, onde tive a oportunidade de trabalhar para a Cruz Vermelha Canadense. Nesse meio tempo, eu tive um relacionamento que durou 5 anos. 

A doença invisível: a depressão.

Tudo ia bem, até que ele adoeceu e não quis se tratar. Foi um momento de grande estresse. O relacionamento terminou em meio a muita tristeza. Só depois percebi que, na verdade, entrei em depressão por tentar conviver tempo demais em uma situação tão difícil e, ao final, decidi por  me separar.

Hoje sei que entrei no relacionamento por amor a ele e saí por amor a mim.

Logo depois, ele resolveu se cuidar, melhorou, anos depois ele se casou, teve filhos e hoje ficou um bem-querer recíproco. 

Desconexão total.

Entretanto, naquela época, ainda me sentindo completamente desconectada, triste, sem prazer na vida, fui buscando diferentes tipos de ajuda. Por fim, percebi que só eu poderia me tirar do buraco onde eu estava. 

O tantra.

Em seguida, aceitei todos os convites que me falavam “isso cura!” e um deles foi um convite para fazer um curso de autodesenvolvimento corporal ligado ao tantra. Posteriormente, acabei fazendo muitos cursos de tantra e isso foi lá em 2008.

Já separada, na primeira vez que saí de casa para ir a uma festa, encontrei meu segundo companheiro, com quem me relacionei por 11 anos. 

A vida seguia boa...

Depois de minha graduação, eu trabalhei em diversos setores. Atuei com comércio exterior, com projetos socioculturais em uma ONG, em seguida fui aprovada em um concurso público para trabalhar com Cultura.  

Algo estranho no ar.

Eventualmente, percebi que as pessoas que trabalhavam lá há 10, 20, 30 anos eram todas profundamente infelizes por uma série de motivos estruturais da administração pública e isso foi me incomodando a ponto de me fazer pedir exoneração.

O trabalho não me trazia mais desafios. Eu não tinha mais como crescer lá dentro. E o comportamento das pessoas estava indo na contramão de meus valores essenciais. 

​Valores em conflito e uma segunda depressão.

Por fim, viver isso não foi fácil e antes de chegar à decisão de sair, eu entrei de novo em depressão. Na realidade, depois eu percebi que essa doença se estabeleceu porque fiquei tempo demais vivendo uma situação estressante, que me fazia infeliz e vivi isso além do limite de minha saúde. 

​Sem prazer na vida.

Sim, eu me sentia desconectada. A depressão me mostrou o caminho de saída de todas as situações com as quais não conseguia mais lidar, sempre me levando a tomar um novo rumo na vida. Minha cura começou quando escolhi conscientemente por sair da zona de conforto e buscar algo que realmente me tornasse feliz. Claro, DE NOVO, não sem dor, sem angústia.

Foram decisões que me fizeram ter consciência de mim, do que eu queria, do que eu gostava, do que me dava prazer e o que precisava fazer para me conhecer e ser feliz.

Por certo que as coisas não foram fáceis, depois de minha exoneração, eu não me encontrava mais profissionalmente. Fiquei um ano me cuidando. 

A reviravolta.

Resolvi buscar o que realmente me dava prazer, isso em todas as áreas da vida. Fui me permitindo, dizendo mais “sim” para a vida. Desenvolvi meus outros talentos e competências, voltei a aquarelar mais, fiz cursos de Aromaterapia que sempre quis…

Aos poucos fui me resgatando, tornando a minha vida mais próxima do jeito que eu a queria, com mais sentido, mais reconectada, porém não foi fácil…  De fato, saber quem você é e do que você gosta não é tão simples quanto parece.

Todavia, para isso acontecer é preciso se olhar. Busquei meus defeitos, aprendi sobre meu autoboicote e o que me impedia de progredir.

Então, fui fazer tudo que falavam que poderia me beneficiar, melhorar minha autoestima, minha saúde mental, minha saúde física e trazer mais sentido e prazer a minha vida.

Bom, falei aqui de se sentir desconectada, perdida, estar infeliz com algum aspecto da sua vida…  Você se identificou com alguma dessas situações? 

O tema da Sexualidade.

Em relação ao tema sexualidade, eu já estudo e aprendo sobre esse tema há anos. Em síntese, primeiro fui buscar meu desenvolvimento fazendo cursos de tantra desde 2007. Nessa época, descobri que não me conhecia, não conhecia meu corpo e minha mente. Não conhecia algo muito importante para a saúde: os detalhes do corpo feminino e toda sua potência; detalhes e potencialidade que conduzem ao autoconhecimento e à paz interior. Claro, esse conhecimento traz poder e também mais união e autoamor. 

Falta de conhecimento.

Sabe qual foi a solução que eu encontrei para mudar a minha vida? Investir em mim!

Primordialmente, fui buscar todos os tipos de ajuda, da mais tradicional (de psicólogo e psiquiatra) até as mais alternativas, como a via do tantra e também a via espiritual.

Por interesse próprio, fui estudar mais e acabei me tornando Consultora em Saúde e Educação Sexual filiada à Associação Brasileira dos Profissionais de Saúde, Educação e Terapia Sexual.

Minha missão.

Atualmente, meu trabalho é atuar como terapeuta de mulheres, palestrante e facilitadora de grupos de mulheres. Criei o Círculo Feminino que, ao mesmo tempo, instrui, orienta e acolhe as questões mais íntimas de todas as mulheres em diferentes temas de autoconhecimento. Desde seu início, tenho comprovado seu forte resultado terapêutico e a transformação que causa na vida das mulheres que passam por ele. 

É possível melhorar !

Finalmente, estou aqui para testemunhar que é possível melhorar, que é possível ter uma vida com mais reconexão e com mais prazer. Eu também já passei por diferentes situações e por momentos de não estar tão feliz e de não ter tanto prazer na vida como um todo. E, inegavelmente, eu venho trabalhando isso até hoje.

Agora tenho uma notícia boa! Tendo em vista que eu sou uma mulher normal, se eu consegui, você também consegue! E chegar lá envolve primeiro de tudo se olhar, se conhecer, conhecer os labirintos internos, se colocar à disposição para aprender coisas novas, abrir a cabeça e, principalmente, permitir-se descobrir, para ir aos poucos desabrochando… e se tornando a linda flor que nascemos para ser. 

Contato

Pronta para se reconectar com o seu feminino?

taiscaldas@circulofeminino.com.br

Whatsapp: (11) 9.6110-2580

Fechar Menu